Alimentos plant-based avançam mundialmente

Pesquisa mostrou que o mercado global de proteínas à base de plantas atingirá um valor de US$ 20,8 bilhões em 2030; Brasil inicia regulamentação destes produtos

Redação

em 5 de setembro de 2023


Nos últimos anos, muitas pessoas passaram a consumir alimentos produzidos à base de plantas, ou plant-based. A perspectiva é de que o setor cresça 10,7% ao ano, atingindo um valor global de US$ 20,8 bilhões em 2030. A projeção é da Verified Market Research, segundo a qual, o uso de alimentos plant-based não deve ficar restrito às pessoas que escolhem não consumir derivados animais, pois muitos consumidores tendem a conciliar as fontes de proteínas escolhas. 

Alimentos plant-based em consulta pública

Alimentos produzidos a partir de plantas não são uma novidade. No entanto, novas tecnologias de processamento industrial visam aproximar o sabor e a textura dos vegetais aos produtos similares, de origem animal. 

Atualmente, ainda não existe uma nomenclatura de consenso nem regulamentação oficial. Porém, em julho deste ano, o tema foi colocado em consulta pública, pelo Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA). O objetivo é estabelecer requisitos mínimos para a identificação e a rotulagem de produtos plant-based. Assim, os itens poderão utilizar termos como “carne”, “queijo” e “leite” nos rótulos, desde que acompanhados da expressão “análogo vegetal de”.

A ideia é facilitar a identificação por parte do consumidor e não causar dúvidas. Além disso, será proibido o uso de termos ou imagens que possam depreciar o produto de origem animal ou o sistema de produção animal. “Os requisitos mínimos de identidade e qualidade para os produtos análogos, de base vegetal, permitirão a fiscalização pelo MAPA, permitindo a verificação de segurança e qualidade, além de garantir informações claras e precisas ao consumidor”, explicou o diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal, Hugo Caruso, segundo nota do Ministério.

A consulta pública, estabelecida pela Portaria 831 (publicada em 3 de julho), se estende por 75 dias (até 10 de setembro).